Pular para o conteúdo principal

A IMPORTÂNCIA DA MASSAGEM NA INTERAÇÃO MÃE-BEBÊ



Durante a gestação o útero envolve o corpo do bebê, tocando-o, massageando-o, oferecendo limite corporal e proteção. Quando o bebê nasce precisa da mesma forma sentir-se acolhido, tocado, olhado e acariciado. Precisa experienciar o limite agora do corpo da mãe, o contato pele à pele, o olho no olho. Necessita ser carregado junto ao corpo da mãe, amamentado e dormir sentindo pele-a-pele. Todas estas atitudes, de um contato corporal adequado, podem passar despercebidas no dia-a-dia atarefado e podem trazer diversas consequências no desenvolvimento psíquico e emocional da criança.
A massagem no bebê pode ser transformada num momento de puro amor e êxtase entre a díade mãe-bebê. Através da conversa, do toque e do olhar amoroso o vínculo afetivo é fortalecido e o amor flui entre os dois corações. Este momento pode ser acompanhado de música suave, utilizar um óleo natural orgânico, evitando óleos minerais, a luz ambiente pode ser amena e ser preparado um gostoso banho de ofurô após a massagem. Há diversas alternativas para fazer deste momento um momento especial. Este vínculo afetivo trará imensos benefícios para o bebê, como o sentimento de segurança, pertencimento, harmonia, amor e aceitação de sua “raiz”, que é a mãe.

Uma massagem que pode ser realizada é a Shantala, bastante difundida no ocidente e trazida da Índia através do médico francês, Fredérick Leboyer. Proporciona encantamento, interação e aprofunda a conexão amorosa entre mãe-bebê. Outra massagem realizada em bebês e crianças, não tão difundida, mas igualmente especial, é o “Toque Borboleta”. Foi introduzida no Brasil por Eva Reich, filha de Wilhelm Reich em 1980 e proporciona integração entre mãe-bebê sendo uma ação preventiva para o crescimento de uma criança saudável e feliz. Além disso, a massagem intuitiva entre mãe-bebê também é de imenso valor, através do toque carinhoso, do olho no olho, da comunicação afetuosa que envolve o bebê. De acordo com Fredérick Leboyer “ser levados, embalados, acariciados, pegos, massageados, constitui para os bebês alimentos tão indispensáveis, senão mais, do que vitaminas, sais minerais e proteínas. Se for privada disso tudo e do cheiro, do calor e da voz que ela conhece bem, mesmo cheia de leite, a criança vai-se deixar morrer de fome”.
 Vivemos numa sociedade onde grande parte das mulheres delega o cuidado de seus bebês à creches ou mesmo familiares mantendo-se no mercado de trabalho e submetendo-se à dupla, tripla jornada sobrando pouco tempo para o essencial, ou seja, o fortalecimento do vínculo tão sagrado com seu bebê. A qualidade desta interação pode determinar quem será este adulto e como ele agirá no mundo. Com revolta? Com amor? Com agressividade? Com respeito ao ser humano?  Como o bebê experienciou o amor com sua mãe?  Com abandono emocional e indiferença? Com afeto e aceitação? Esta relação refletirá profundamente em toda a sociedade e devemos repensar nossas prioridades como tal. Por isso, a massagem nos bebês não é apenas uma experiência rotineira, mas sim, uma interação profunda entre corpo, emoção e alma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PREPARAÇÃO PARA VINDA DE UM NOVO BEBÊ

A notícia da chegada de um novo ser geralmente provoca um misto de emoções em toda a família, mas principalmente na mulher onde as transformações são imensas. Após o período de adaptação logo começam a organizar o quarto, o cantinho do bebê, a preparação das roupinhas e sapatinhos para que fique “tudo pronto”. Claro, que precisamos estar preparadas com todo enxoval para receber nossos pequenos, mas gosto de lembrar que temos muitas questões importantes para também nos concentrarmos e às vezes parece que paramos por aqui: montar o enxoval, frequentar as consultas e fazer o chá de bebê para arrecadar fraldas. Não é uma crítica e sim uma reflexão.  O nascimento de um filho/a é lindo, um verdadeiro milagre acompanhar esse ser desde o nosso ventre até seus passos adultos. Mas, às vezes, é demasiadamente romantizado na sociedade e acabamos não fazendo alguns planejamentos importantes. Podemos dizer que é lindo ver toda essa transformação, mas não é fácil independente de todo apoio que a mulh…

MENSAGEM DOULA LETHICIA

Quando proporcionamos um nascimento mais justo, humanizado aos nossos bebês; Quando damos amor, aconhego, carinho e atenção aos nossos filhotes; Quando aninhamos eles em nossos braços permitindo que sintam o amor fluindo e entrelaçando os dois corações; Quando olhamos dentro de seus olhinhos e percebemos o que eles querem nos dizer; Quando damos a segurança que vem do amor; Quando permitimos que o nosso filhote sinta a pele dele encostando em nossa pele...

Permitimos que cresçam com mais equilibrio, sentindo-se respeitados, aceitos e amados.... Permitimos que sejam adultos mais seguros e completos... Permitimos que com este solo fértil possam plantar e colher muitas flores e frutos em suas vidas... E que sintam a força do amor brotando e jorrando de seus corações com portas abertas a todos os seres!!!

INDICAÇÕES DA OMS (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE) NO ATENDIMENTO AO PARTO NORMAL

Via site: partodoprincipio.com.br




A) Condutas que são claramente úteis e que deveriam ser encorajadas:
1. Plano individual determinando onde e por quem o parto será realizado, feito em conjunto com a mulher durante a gestação, e comunicado a seu marido/ companheiro e, se aplicável, a sua família.
2. Avaliar os fatores de risco da gravidez durante o cuidado pré-natal, reavaliado a cada contacto com o sistema de saúde e no momento do primeiro contacto com o prestador de serviços durante o trabalho de parto e parto.
3. Monitorar o bem-estar físico e emocional da mulher ao longo do trabalho de parto e parto, assim como ao término do processo do nascimento.
4. Oferecer líquidos por via oral durante o trabalho de parto e parto.
5. Respeitar a escolha da mãe sobre o local do parto, após ter recebido informações.
6. Fornecimento de assistência obstétrica no nível mais periférico onde o parto for viável e seguro e onde a mulher se sentir segura e confiante.
7. Respeito ao direito da mulher à pr…